Resenha Stranger Things 2° Temporada

Compartilhe

 

O final de outubro nos reservou a estréia de uma das séries de maior sucesso dos últimos tempos, retornando para a sua Segunda Temporada, a atração original da Netflix voltou com a expectativa de ”amarrar” algumas situações deixadas na primeira e mostrar suas consequências, o que aconteceu com Eleven? qual será o comportamento de Will?  entre tantos outros mistérios…

Um ano se passou desde os acontecimentos da temporada de estréia, todos estão procurando viver suas vidas da melhor maneira possível, até perceberem que o que presenciaram era apenas o começo.
Nesta temporada contamos com alguns personagens novos, a ruivinha Maxine(Sadie Sink) que mexe com os meninos, principalmente Dustin e Lucas e causa ciúmes em Eleven, rebelde e muito esperta, gostei da Max logo de cara e minha admiração se tornou maior ainda quando detalhes da sua vida foram revelados mostrando os momentos difíceis que vem passando e sua relação com mais um personagem inserido na série, seu meio irmão Billy(Dacre Montgomery )
O  novo ”brutamonte” do colégio, trata todos e principalmente Max de forma autoritária e agressiva, mesmo forma que é tratado pelo pai. O que mais gostei em Billy foi seu gosto musical, com todo seu  estilo hard rock anos 80, cada aparição do personagem trazia músicas bem legais e uma viagem maravilhosa.
Outro personagem novo a ser destacado é Bob(Sean Astin) o eterno Sam de ”O senhor dos Anéis” interpreta o novo namorado de Joyce(Winona Ryder) um nerd gente boa e bobo que com o passar do tempo se torna muito importante, ganhando os coração dos fãs.

Will(Noah Schnapp) ou ”zumbizinho” para os alunos de onde estuda, tenta voltar a sua rotina tendo que conviver com os bullyings e as diversas visões que o atormentam, tais visões o paralisam  como se estivesse sonhando acordado, mas tudo piora quando em uma de suas visões ele resolve confrontar o monstro e o mesmo acaba entrando em seu corpo, logo Will se torna parte do mesmo e passa a sofrer, sentir e adquirir inclusive a visão do seu inimigo, que ganha os mesmos ”poderes”.

Jim Hopper(David Harbour) se torna cada vez mais uma figura paterna para Eleven(Millie Bobby Brown) tendo a escondido todo esse tempo na intenção de protegê-la, com diversas regras e de forma bem dura, ele tenta mantê-la longe de perigo o que faz com que a menina muitas vezes se revolte e fique decepcionada, chegando  a fugir, em uma dessas fugas , surge mais uma  personagem interessante e que certamente será mais abordada na terceira temporada, sua ”irmã” Kali ou Eight, também vítima dos experimentos no laboratório por Brenner, Kali tem poder sobre a mente das pessoas, fazendo com que vejam o que ela quiser, ou até que não vejam nada.
O encontro nos mostra  a origem de Eleven e contou com um episódio específico para tratar da relação das duas, o polêmico episódio sete ”A irmã perdida”  gerou diversas criticas  por ter sido diferente dos demais,  criticas que considero injustas,  pois foi um episódio  bom e muito importante para o restante da série,  fez Eleven pensar em alguns valores morais, além de ter sido inspirado no clássico ”Star Wars: O império contra-ataca” colocando a protagonista como Luke Skywalker e sua jornada.

“Falamos muito sobre o longa e sobre Luke indo para Dagobah e conhecendo Yoda. Além disso, a ideia de uma Eleven sombria sendo puxada para o lado negro foi bem interessante. Então muito desse episódio mostrou o que aconteceria se a jovem fosse atraída para essa escuridão e o que ela poderia aprender sobre si mesma se permanecesse assim”, relevou Matt Duffer um dos criadores da série.

A segunda temporada de Stranger Things contou com mais tempo para Dustin e Lucas, onde conhecemos mais sobre suas famílias, além de notarmos o crescimento das crianças, chegando na adolescência.
Manteve suas referências, uma marca da série,  mas aumentaram a seriedade mexendo inclusive com temas mais fortes, mostrando não se tratar apenas de uma série para os nostálgicos e sim uma atração com enredo interessante e cada vez mais promissor.

Leia mais no Conteúdo Zero