Crítica | Por Trás dos Seus Olhos, filme nos mostra a diferença entre amar e ser dependente

Do diretor Marc Forster ( “Guerra Mundial Z” e“007 – Quantum of Solace” ) “Por Trás dos Seus Olhos”  trás Blake Lively (“A Incrível História De Adaline” e “Café Society”) como Gina, uma mulher adorável que possui uma deficiência visual e vive um casamento quase perfeito com James. (Jason Clarke, “Planeta dos Macacos: O Confronto e Exterminador do Futuro: Gênesis)O fato de precisar da ajuda do marido para tudo faz com que o relacionamento se torne algo especial, possui um marido paciente e atencioso e tem uma bela vida em Bangkok na Tailândia.  Após um transplante, Gina volta a enxergar e começa a perceber que sua vida não era tão perfeita como imaginava.

O filme conta com uma excelente fotografia, com belas imagens do alto, uma dança por baixo d’água maravilhosa e core vivas tornando o visual muito bonito.
O público por diversas vezes é colocado no corpo de Gina e consegue ver através dos olhos da protagonista, dos borrões e cores manchadas de quando ainda não enxergava, até a visão embaçada que vai melhorando gradativamente.

Blake Lively atua muito bem, fica nítido seu semblante de decepção e até incômodo com as coisas que pensava ser de um jeito, porém não eram. Incômodo que é transmitido para nós imediatamente a cada nova descoberta. Em um primeiro momento achamos que Gina é um tanto ingrata por reclamar de tudo mas se nos colocarmos no lugar dela, imaginamos como deve ser estranho e difícil ficarmos sem enxergar durante uma vida inteira, imaginando tudo que está ao nosso redor e no momento que podemos ver, nos surpreendemos com o fato de que as coisas não eram bem da forma que pensamos.

Image from the movie "Por Trás dos Seus Olhos"

A premissa do filme é excelente, porém a forma com que é contado faz com que se torne arrastado e cansativo e o último ato que deveria fazer o filme andar de maneira mais objetiva prestes ao seu encerramento, acaba não sendo tão  interessante. O longa de Marc Forster  nos mostra uma relação sustentada na dependência, tal dependência fazia com que Gina ficasse presa a uma vida imaginária, perfeita, um sonho que existia somente na sua cabeça, que gerava conforto ao seu marido e total controle sobre sua vida.

Na medida  que Gina tem contato com o mundo, mais interessada ela fica por novas experiências, o que causa bastante insegurança em seu marido o deixando paranóico, dai em diante ambos tentam seguir, se esforçam para agradar um ao outro e impor suas vontades, porém é inevitável. A relação já não é mais a mesma se tornando até abusiva por parte de James.

“Por Trás de Seus Olhos” é um bom filme, com visual e atuações belíssimas, porém peca no seu andamento, o tornando tão massante que te faz perder o interesse, levando a um final sem emoção.

“Por Trás dos Seus olhos” chega aos cinemas no dia 22 de março.

Leia mais no Conteúdo Zero

One thought on “Crítica | Por Trás dos Seus Olhos, filme nos mostra a diferença entre amar e ser dependente

Comments are closed.